quarta-feira, 30 de março de 2011

Música na Escola é Parceria!

A música na escola, pensada como processo e, não só como produto de festas escolares, deve ser trabalho de toda a comunidade escolar e, não somente, dos professores de música que entram em sala de aula de 15 em 15 dias para uma aula de 50 minutos.
Os professores regentes de sala na educação infantil podem e devem cuidar do desenvolvimento musical de suas crianças, propiciando atividades para a vivência do ouvir, criar, expressar e compreender o universo sonoro cultural.
A partir de nossas próprias experiências musicais e das experiências musicais que nossos alunos trazem para a escola, podemos promover grandes trocas musicais e enriquecer nossas musicalidades.

Musical Infantil "João e Maria"

Coral da Faculdade de Educação

terça-feira, 29 de março de 2011

Os Saltimbancos - parte 04

Os Saltimbancos - parte 03

Os Saltimbancos - parte 02

Os Saltimbancos - parte 01

Os Saltimbancos

História de uma gata

sábado, 26 de março de 2011

Canciones - Guaraníes Argentinos

Canto indígena

Crianças Guarani cantando

Coral de Crianças Indígenas - Santa Catarina

Musicalidade Boliviana

Cantores de Potosi

Bebê e a música baiana

Carimbó, Rítmo Paraense

Grupo Ciranda de Cantigas

Contos e Cantigas Populares

Musicalização para bebês

Projeto Pifercussão - Paraíba

Musicalidade Nordestina

Trio musical

Bandinha

Canções de Roda

quinta-feira, 24 de março de 2011

Educação Musical com bebês no Peru

El gallo que no canta

Las Maracas

Música para niños

Ladrilho: jogo musical para exercício da pulsação

Olodum Mirim...fora dos muros da escola...

Siyahamba - Vozes infantis africanas

African Music Education

terça-feira, 22 de março de 2011

Jogo Musical

musica en movimiento

Iniciacion Musical

Exercício de desenvolvimento do pulso musical

Eurhythmics

Método Orff

Didattica ORFF SCATOLA SONORA 2008

Orff Instruments

Instrumental Orff

segunda-feira, 21 de março de 2011

Workshop

 Com o "Palavra Cantada" -  dia 1 de abril no Centro de Convenções

CHAMADA! Série programada para a TVE sobre educação musical

Programa: Educação Musical Escolar

O programa Salto para o Futuro integra a grade da TV Escola (canal do Ministério da Educação). É uma das faixas de programação do canal dirigida especialmente à formação continuada de professores do ensino fundamental e médio, atendendo também a temas de interesse para a educação infantil.

Em junho começará uma série sobre Educação Musical:

Educação musical escolar  (27/06/2011 a 01/07/2011)
A série tem como proposta fomentar a discussão sobre a música nas escolas, com base na implementação da Lei 11769/08. Diferentes abordagens propostas para a educação musical, ao longo do tempo, serão analisadas, bem como será enfocada a diversidade musical e possíveis metodologias de ensino da música. Experiências musicais que já acontecem nas escolas brasileiras serão apresentadas como base para reflexão e subsídio para a inclusão da música nos currículos. PGM 1: Educação musical e legislação educacional; PGM 2: Diversidade musical e ensino de música; PGM 3: Música nas escolas; PGM 4: Outros olhares sobre Educação musical escolar; PGM 5: Educação musical escolar em debate.


De segunda à sexta,
TV  Escola: 19 horas, TB Brasil: 5h50
http://www.tvbrasil.org.br/saltoparaofuturo/sinopses.asp

Quais são suas experiências musicais?

Experiências musicais dizem respeito a tudo que vivenciamos durante toda a nossa vida, desde o útero materno em termos de som. Quando crianças, como toda e qualquer criança, exploramos sonoridades, timbres, rítmos, cantamos, cantaram para nós (em geral , nossas mães, avós e professores da educação infantil), ouvimos e criamos músicas.Em nosssa adolescênicia, ouvimos nossos cantores e bandas preferidos, formamos grupos musicais, aprendemos a tocar algum instrumento (nem que tenha sido por pouco tempo), participamos de grupos em nossas igrejas, etc. Quando adultos, cantamos no chuveiro, tocamos caixa de fósforo em uma roda de samba, cantamos ou tocamos berimbau na capoeira, cantamos para nossos filhos, vamos a shows de nossos cantores e grupos prediletos, e relembramos cenas de nossas vidas que foram marcadas por várias de nossas experiências musicais. Ser musical é partilhar de todas essas experiências musicais que nosssa cultura nos proporciona.

EDUCANTO- CORAL DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO- INSCRIÇÕES ABERTAS!!!!!!!!!!!!

Que vontade de cantar…



DESVENDANDO O CORO EDUCANTO
Surgiu como resultado da disciplina “Fundamentos Musicais na Educação” ministrada pela professora Patrícia Pederiva na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. A motivação dos alunos e a iniciativa do maestro Felipe Ramos (felramos.tumblr.com) e da professora Patrícia Pederiva resultaram na formação do Coro Educanto. A proposta do coro era permitir que os alunos continuassem tendo contato com a música e se aprofundando na sua aplicabilidade do dia a dia. Mas, a proposta acabou seduzindo muito mais da comunidade universitária e dos interessados em música, resultando na formação de um coral com uma proposta diferente. Em esquema parecido ao do Show Choir (música e movimento), o Coro Educanto sempre leva em consideração a sua experiência musical e sempre acrescenta com a interação entre os cantores que o formam.
Maiores Informações: coroeducanto@gmail.com
ENSAIOS- Sexta-feira 19:00- 21:00- sala de coros ao lado do anfi 10 a partir do dia 25/03

terça-feira, 15 de março de 2011

Todos somos musicais

Para aqueles que ainda crêem que só os músicos que passaram por uma educação formal na área são musicais, saibam que todo somos musicais. O fato de existir, na maioria das escolas de música e conservatórios, um padrão, uma norma  para a expressão musical, não significa que quem está fora dela
não seja musical. Todos nós temos a possibilidade de expressar a  nossa musicalidade, seja cantando, tocando algum outro instrumento, ou compondo. Cada pessoa tem o direito de escolher de que modo quer expressar sua musicalidade, que repertório quer cantar, ouvir ou interpretar. Se esta mesma pessoa quiser partilhar do tipo de expressão musical de um grupo específico, ela irá buscar aprender as técnicas e os modos de expressão daquele estilo. Mas isso deve ser uma escolha, e não uma imposição de um professor ou de uma determinada escola, que costuma rotular àqueles que não enquadram-se em seus "currículos," de desafinados, desritimados, amusicais, etc. O que uma pessoa faz com o que aprende no campo de música, não deve ser decisão de professores e de escolas, mas, da própria pessoa que procura a experiência musical. Assim, não há idade, gênero, cultura,  estilo, nada, nem ninguém que impessa alguém de exercer suas possibilidades de expressão musical, a não ser, sua própria crença de que não possa fazê-lo.

quinta-feira, 10 de março de 2011

A organização de atividades musicais na educação infantil

Qualquer pedagogo, algum dia, já organizou atividades musicais no ambiente de educação infantil. Isso, porque a música faz parte da rotina de qualquer criança, principalmente nessa faixa etária. Assim, não há como imaginar educação infantil, sem música. Entretanto, algumas questões podem ser aí instauradas, como, por exemplo, de que modo as atividades musicais são organizadas nesse ambiente? Quais são essas atividades e quais músicas esses professores utilizam? Leva-se em consideração o repertório cantado pela criança em seu dia a dia, ou impõe-se músicas distantes de suas realidades e, que muitas vezes só pertencem ao imáginário do professor, como sendo o "repertório musical da infância" do século XXI? Qual a formação do pedagogo em relação à organização de atividades musicais na escola? Existem discussões sobre o papel da música no desenvolvimento infantil nesse contexto? Quando organizadas, as atividades musicais são pensadas como atividades que criem condições de possibilidade para a criança ouvir, criar, compreender e expressar-se musicalmente a fim de propiciar um processo de desenvolvimento da musicalidade, ou elas são organizadas só como produto das festas escolares? Existe parceria entre pedagogos e músicos na escola? Essas são questões que precisarm ser discutidas na formação do pedagogo, no espaço escolar e na educação musical como um todo.

Pedagogos, Atividades Musicais e Educação Infantil

Não conseguimos imaginar um ambiente de educação infantil sem música. Isso porque a música é parte integrante do universo das atividades infantis. O próprio pedagogo costuma organizar as atividades musicais em suas escolas, com base em sua bagagem musical, em suas experiências como ser humano cultural e como ser musical. Entretanto, nota-se uma grande carência e  vontade  desses professores no sentido de compreender o papel da música no desenvolvimento infantil e de melhor organizar as atividades musicais no dia a dia da criança na escola. A música, nesse ambiente,deve ser pensada com o intuito de criar condições de possibilidade para que as crianças possam ouvir, criar e compreender o imenso universo musical cultural além de elas poderem expressar-se musicalmente. As atividades musicais na escola não devem ser pensadas somente como um produto das festas escolares, mas como parte do processo de desenvolvimento infantil. Assim, pedagogos também devem ter formação para a organização de atividades musicais no ambiente escolar e, a escola e as universidades, deveriam investir nessa formação, fazendo uma grande parceria com os educadores musicais.

quarta-feira, 9 de março de 2011

I'm yours

O Som da Rua - Beat It!

Atividade musical como processo

Todas as pessoas são musicais. No dia a dia, elas se expressam das mais diversas formas, nos mais variados contextos. O papel da escola é criar condições de possibilidade para o desenvolvimento dessa musicalidade e para a vivência do universo musical cultural. Para isso não basta a imitação, nem somente o foco no produto, mas também no processo. Crianças devem ter a possibilidade de ouvir, criar, explorar e compreender como as diversas músicas estão organizadas.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Sucateando - Canal Futura

Grupo Sucateando - Oficina de Arte e Som

Aprendendo a fazer música na reciclagem

Lixo se transforma em Música

Pato Fu - Música de Brinquedo - Vídeo Show

Pato Fu - Música de Brinquedo - Jornal da Globo

Pato Fu - Música de Brinquedo - Globo News

Pato Fu - Sonífera Ilha

Pato Fu - Bohemian Rhapsody

Pato Fu - Ovelha Negra

Pato Fu - Rock and Roll Lullaby

Pato Fu - Sobre o Tempo

Pato Fu - Primavera

Pato Fu - Love Me Tender

Borboletas de Zagorsk (Parte II)

Borboletas de Zagorsk (Parte I)

Lev Semionovich Vigotski

domingo, 6 de março de 2011

Crianças repentistas no nordeste

Meninos do Olodum

Crianças ensaiando samba

Canção Africana

Koko leo ko

Coro Infantil

O som das coisas

Música do grito

Palavra Cantada - O Rato

Som da Gaita

Som da Cítara

Som da flauta doce

Som do vibrafone

Som do bandolim

How to make a mini teremim

How to make a teremim

Temerim

Grupo Sordodum

Banda Surdodum

Ensaio do Sordodum

Banda Surdodum - Música Libras

TVE Música na Educação Infantil

Bebê explorando sons

Música para bebês

sábado, 5 de março de 2011

Projeto Música na Rua

Kalimba e Chocalhos de sucata

Escatumbararibe - Lenga la Lenga

Bossa



Composição dos alunos da disciplina fundamentos da linguagem musical na educação curso de pedagogia da FE UnB; Verão 2010

A música esta em nós



Composição dos alunos da disciplina fundamentos da linguagem musical na educação curso de pedagogia da FE UnB; Verão 2010

Música e educação



Composição dos alunos da disciplina fundamentos da linguagem musical na educação curso de pedagogia da FE UnB; Verão 2010

Eu vou pra salvador



Composição dos alunos da disciplina fundamentos da linguagem musical na educação do curso de pedagogia da FE UnB; Verão 2010

sexta-feira, 4 de março de 2011

Filme Sobre Sistema Educacional Norte-Americano

O filme Waiting for Superman (Esperando pelo superhomem, 2010) é um documentário sobre o sistema educacional público norte-americano.  Resenha em inglês do filme

Glass music

Instrumentos Musicais - Musicalização Infantil

Bandolim e violão

Toma toma um banho



Composição dos alunos da disciplina fundamentos da linguagem musical na educação do curso de pedagogia da FE UnB; Verão 2010

Coral da chuva

O som do carro na voz

STOMP

Batucadeiros

Hermeto Pascoal - Música da Lagoa

Uakti no Mão na Massa - Parte 2

Uakti no Mão na Massa - Parte 1

Blue Man Group - Drumbone

Beat box

The Voca People

Pequena violinista

Menina Japonesa cantando

Hey Jude cantado por um bebê

Mendigos - Stand By Me

Fome come - Palavra Cantada

Barbatuques - Percussão Corporal

quinta-feira, 3 de março de 2011

Ken Robinson: Escolas matam a criatividade? (parte 2/2)

Ken Robinson: Escolas matam a criatividade? (parte 1/2)

A Atividade Musical e a Consciência da Particularidade

Tese de Doutorado de Patrícia Pederiva - Link ao lado

Esta pesquisa buscou analisar a musicalidade em perspectiva histórico-cultural, o que significou compreender sua gênese, estrutura e função em momentos históricos diferenciados, a saber, na história natural, na história cultural, bem como em momentos de ruptura que implicam transformações nos modos de experienciar e vivenciar a musicalidade, seja em sua forma natural de expressão, seja na atividade musical propiciada pela música. O instrumento metodológico utilizado foi a análise genético-psicológica de Vigotski, que possui por base a filosofia de Spinoza e o materialismo dialético marxista. Procedendo dessa forma, foi possível compreender que a musicalidade, em sua base biológica, atrelada à fala, é um dom natural de caráter universal. Na cultura, distanciando-se da fala, ela se transforma, trilhando aí novos caminhos, uma nova síntese, assumindo novas dimensões psicológicas e novos significados perante a cultura. Em relação à obra de arte, na experiência musical, criam-se condições de possibilidade para o surgimento de um novo tipo de consciência na atividade psicológica do homem, a consciência da particularidade, que auxilia na organização e no controle das próprias emoções. No desenvolvimento histórico da atividade musical, inicia-se a institucionalização escolarizada da musicalidade, processo este ancorado em valores ideológicos e mercantilistas que limitam a expressão musical, domesticando e solapando as possibilidades musicais expressivas e criativas do homem. Crê-se que tais condições poderiam ser transformadas mediante a vivificação de condições ontológicas que também são emancipadoras, a igualdade, a liberdade, a vontade, a ética, a imaginação e a criação, experienciadas em meio a relações autênticas e convivenciais.

O Corpo no Processo Ensino-Aprendizagem de Instrumentos Musicais: Percepção de Professores

Dissertação de Mestrado de Patrícia Pederiva - Link ao lado

Esta pesquisa, de caráter qualitativo exploratório, focalizou a relação músico-corpo-instrumento no contexto ensino-aprendizagem. Teve como objetivos investigar significados de “corpo”, de acordo com o entendimento de professores de instrumentos musicais; a existência de problemas corporais no processo ensino-aprendizagem; as possíveis causas dos problemas corporais, e, ainda, descrever procedimentos pedagógicos voltados para o corpo, utilizados pelos professores. Os instrumentos metodológicos utilizados foram a entrevista individual e de grupo focal. Foram entrevistados em profundidade 10 professores de instrumentos musicais variados que lecionam para diversas faixas etárias, predominantemente adolescentes. Além disso, 3 entrevistas de grupo focal foram também conduzidas. Os resultados obtidos revelam diversas significações referentes ao corpo, incluindo corpo-instrumento, corpo-mente, corpo-base, corpo-organismo, corpo-sujeito, corpo-emoção, corpo-cultura e corpo-objeto. Revelam também que o corpo influencia no modo de proceder dos professores em sua prática pedagógica. Diversos problemas corporais – de ordem física, emocional e mental – foram apontados pelos professores, indicando que a aprendizagem musical deve abranger todas essas dimensões. Os resultados sugerem que o corpo, no processo ensino-aprendizagem de instrumentos musicais, está à mercê de uma pedagogia que tem como base a experiência prática do professor. O adoecimento do músico parece acontecer já no período inicial de aprendizagem, o que aponta para a necessidade de mudanças nos procedimentos pedagógicos e revisão das bases do processo ensino-aprendizagem de instrumentos musicais